23 de outubro de 2010

Os Pilares da Terra (Volume 2)

Autor: Ken Follett
Género: romance histórico
Editora: Editorial Presença | Nº de páginas: 600
Nota: 5/5

Resumo (do livro): Publicado pela primeira vez em 1989, Os Pilares da Terra surpreendeu o universo editorial ao tornar-se gradual mas inabalavelmente um clássico da ficção histórica, que continua a maravilhar leitores de todo o mundo e que a Presença lança agora em dois volumes. Na Inglaterra do século XII, Tom, um humilde pedreiro e mestre-de-obras, tem um sonho majestoso – construir uma imponente catedral, dotada de uma beleza sublime, digna de tocar os céus. E é na persecução desse sonho que com ele e a sua família vamos encontrando um colorido mosaico de personagens que se cruzam ao longo de gerações e cujos destinos se entrelaçam de formas misteriosas e surpreendentes, capazes de alterar o curso da história – Ellen, uma mulher enigmática que vive à margem da sociedade e cujo passa do esconde um segredo, Philip, prior da cidade de Kingsbridge e que vai supervisionar a construção da catedral, Aliena e Richard, ricos herdeiros destituídos das suas terras e títulos, William, o cavaleiro sem escrúpulos, e Waleran, o bispo disposto a tudo para obter o que pretende. À medida que assistimos à edificação de uma obra única envolvendo suspense, corrupção, ambição e romance, a atmosfera autêntica do quotidiano da Europa medieval em toda a sua grandeza absorve-nos irremediavelmente, ousando desafiar os limites da nossa imaginação. Recriação magistral de um tempo de conspirações, delicados equilíbrios de poder e violência. Os Pilares da Terra é decididamente a obra-prima de um autor que já vendeu 90 milhões de livros em todo o mundo.

Opinião: Que viagem! É sem dúvida uma belíssima epopeia que, tendo como pano de fundo um período de guerra civil em Inglaterra, conta-nos a história da construção de uma catedral, sonho de uns e “pesadelo” de outros.

Se na primeira parte parece que andamos um pouco perdidos, neste volume vemos então onde a história nos leva e todas as perguntas (sobretudo o que liga Ellen a Waleran, o terrível segredo por detrás de toda a história), como não podia deixar de ser, são respondidas. O que mais destaco nesta obra é o trabalho do autor no que toca à descrição do dia-a-dia medieval. Conceitos que em aulas de História, apesar de bem explicados, me custava a perceber como na realidade seria posto em prática ou o porquê (sim, há conceitos que me faziam alguma confusão nomeadamente no que ao controlo das terras e populações pelos senhores dizia respeito), aqui ficaram brilhantemente exemplificados, tornando a imagem bastante real e credível. Poucas falhas tenho a apontar, ainda que a palavra Espanha me pareça um pouco anacrónica, assim como Portugal, mas no geral pareceu-me tudo muito bem conseguido e deu-me a conhecer uma parte da história de Inglaterra que desconhecia por completo.

No que toca às personagens, entre personagens reais e fictícias, temos uma variedade enorme e todas elas diferentes. Ambições, dúvidas, experiência de vida, cada uma é rica e diferente de todas as outras, fazendo com que nos compadeçamos nos momentos maus e com que jubilemos quando as coisas correm bem. É impossível ficar indiferente ao que cada personagem passa, e se queremos o melhor para algumas, não podemos deixar de desejar o pior para aquelas personagens mais cruéis, que têm apenas em conta o seu próprio ganho.

Não me deixou com um vazio como outros, assim que o pus de lado, mas não deixa de ser um livro extraordinário e, sem dúvida, a reler. Este é daqueles que apesar das muitas páginas, é para manter e ler sempre que me sentir mais em baixo, pois relata uma história de persistência e de como pessoas honradas, com outros objectivos do que o ganho próprio, podem levar a sua avante bafejados pela sorte ou qualquer outra graça. Este é um livro que enche uma pessoa de esperança, lembrando que tendo fé e acreditando no nosso sonho, ele pode ir em frente mesmo que muitos maquinem contra nós. É um hino à perseverança, ao acreditarmos nos nossos sonhos, ainda que concretizá-los pareça difícil com tantos obstáculos pelo caminho. Mas tudo isso faz com que no final tudo valha a pena. Recomendo!

5 comentários:

Lars Gonçalves disse...

Eu também li a pouco tempo o livro e concordo plenamente contigo!! é um dos melhores livros que já li.

Lolita disse...

Ouço tão boas críticas em relação a este livro, que cada vez tenho mais vontade de o começar a ler. O primeiro volume já vive aqui em casa a alguns bons meses, por pela estante tem ficado, mas parece-me que por pouco tempo :)

boas leituras

http://bookslovers.blogs.sapo.pt/

WhiteLady3 disse...

O primeiro volume tem um ritmo mais lento e custou-me mais a ler por não perceber muito bem onde é que o autor queria ir com a história, mas no final compensa. :)

Para mim, sem dúvida de que é uma grande obra!

Pedro disse...

Que viagem, dizes bem!

Nunca achei que o "segredo" fosse muito difícil de desvendar, sinceramente desde o primeiro livro que adivinhei a verdade.

Eu fiquei APAIXONADO por Jack e Aliena! É neste segundo volume que nós realmente nos apercebemos que eles são os verdadeiros protagonistas, e acho que nunca na vida um livro me deixou tão FRENÉTICO por causa de umas personagens.

O William é a única razão pela qual me poderia tornar um assassino hehe. De facto, custa ficar indiferente.

Ainda bem que gostaste tanto! Agora, quando puderes, avança para "Um Mundo Sem Fim" (não é melhor, mas se há coisa que realmente me satisfez foi voltar a Kingsbridge).

WhiteLady3 disse...

Eu não assassinava o William... preferia torturá-o! Seria engraçado usar algumas das torturas medievais nele... MUAHAHAHAHAH!!! :D

Já está na lista. ;)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...