4 de julho de 2012

Hamlet (1990)

Diretor: Franco Zeffirelli
Adaptação de Hamlet de William Shakespeare por Christopher De Vore e Franco Zeffirelli
Atores: Mel Gibson, Glenn Close, Alan Bates

Mais informação técnica no IMDb.

Quando e onde o vi: 24 de junho em casa, cortesia das BLX que tinham o DVD disponível. Vi o filme no âmbito da Temporada William Shakespeare.

Opinião: Como com outros livros que assim que leio tenho de ver a adaptação, neste caso tal ainda mais se impunha, tendo sido esta história escrita por modo a que outros a representassem.

Penso que nunca tinha visto uma adaptação da peça, só excertos do filme do Sir Kenneth Branagh (e deixai-me fangirlar um bocado por ele agora ser Sir) aqui e ali, e que entretanto tive a oportunidade de ver mas isso fica para uma outra altura...

Ao ver este, devo confessar que tinha um certo receio da escolha de Mel Gibson mas ele acabou por me surpreender. A sua raiva e “demência” era o que esperava encontrar ao ler e ele na sua representação conseguiu então imprimir o sentimento que terá faltado na minha leitura. Não sei se estou a conseguir expressar-me da melhor maneira, mas a leitura e o visionamento são duas experiências completamente diferentes e achei o último muito mais enriquecedor que a leitura. Sem dúvida de que estas palavras foram escritas para serem representadas pois sem qualquer entoação perdem todo o alcance que poderiam ter. E como todos os actores são diferentes, assim como diferentes são as pessoas, acaba por dar uma outra visão, uma outra interpretação do mesmo texto. Se ao ler achei que Hamlet era um choninhas, Mel Gibson mostrou-me que era um homem de ação e que mesmo a sua inatividade é um plano em andamento. Se tinha achado que o seu sentimento por Ofélia não era verdadeiro, aqui senti que o facto de sua mãe se voltar a casar prematuramente como que estragou a imagem das mulheres para ele, vendo em Ofélia o mesmo engano sem que ela no entanto tivesse feito algum mal, pagando a justa pela pecadora. Vi na demência de Ofélia mais que a tristeza de ter sido abandonada, vi sonhos desfeitos e a inocência perdida.

Não segue a peça tal como está escrita, há cenas que desaparecem e outras mudam de sítio, mas acaba por ser uma adaptação bastante competente e muito bem conseguida. Só posso aconselhar.

O DVD também possui documentários e um comentário que analisa o texto original e o filme, que acho que valem a pena ser vistos e lido.

Veredito: Vale o dinheiro gasto. Mas muito perto de “para ter na estante”. Surpreendeu-me bastante e aconselho sem qualquer tipo de reservas.

2 comentários:

Iceman disse...

Já vi esse filme há uns anos, muito antes de ter lido Shakespeare.

Aconselho que vejas os filmes de Kenneth Branagh, pessoalmente o actor que mais gosto de ver a interpretar Shakespeare.

Vi os filmes: Henrique V, Othelo e Hamlet e achei-os formidáveis, principalmente o Henrique V.

WhiteLady3 disse...

Eu adoro o Kenneth Branagh! Também é o meu actor preferido para representar personagens do Shakespeare. Entretanto já vi o seu Hamlet e também gostei bastante. A sua representação estava bem mais próxima do que imaginei enquanto lia mas o Hamlet do Mel Gibson também é muito bom. São duas visões representações diferentes da mesma personagem e tão bem conseguidas!

Do Henrique V só tenho visto algumas partes, mas o discurso antes da batalha de Agincourt é magnífico. Traz-me sempre lágrimas aos olhos e, juro, sinto-me capaz de enfrentar tudo e todos. Também vi o Muito Barulho por Nada que é hilariante. :D

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...