4 de agosto de 2013

Age of the Five

Autor: Trudi Canavan
Ficção | Género: fantasia
Editora: Orbit e HarperCollins | Ano: 2005 a 2006 | Formato: livro | Nº de páginas: 688+576+640 | Língua: inglês

Como me veio parar às mãos: através do BookMooch, na altura em que conseguia aceder ao BookMooch e encontrar livros jeitosos.

Quando e porque peguei nele: entre 14 de junho e 28 de julho. Apetecia-me algo diferente dos romances que tenho lido e fantasia parecia-me o ideal. Além disso já andava a pensar lê-los por aparecerem na lista do Monthly Key World Challenge de livros a votação para ler em janeiro, salvo erro, e por poderem contar para o Book Bingo e para o Mount TBR Challenge.


Opinião: Estes são daqueles livros que desde cedo me chamaram a atenção na livraria mas só encontrava os volumes mais adiantados e nunca o primeiro. Finalmente consegui pedir o primeiro no BookMooch e ia toda lampeira para comprar os restantes quando chego à FNAC e pimbas, volumes 2 e 3 não estavam em lado algum e havia o volume um em TODO o lado. *suspira* Porque é que me acontece sempre isto? Mas pronto, lá consegui arranjá-los a todos, consegui fazer com que ganhassem pó na estante e finalmente consegui que fossem lidos. :P

Demorei cerca de mês e meio a ler estes 3 livros e não dei o tempo por mal empregue. É capaz de ser das melhores séries de fantasia que li, o que não quer dizer que não tenha coisas más. Não é uma leitura viciante, nem tão pouco frenética, com a sua multiplicidade de pontos de vista é uma história que se vai desenrolando devagar, apresentando-nos um mundo e sua mitologia, povos e personagens distintas, cada um deles com um pequeno ou maior papel no desenrolar dos eventos que acabam por alterar Ithania.

O primeiro livro apresenta-nos as personagens principais, o mundo e criaturas que aí habitam, enquanto apresenta também a religião, ou pelo menos uma faceta da mitologia. Auraya é uma jovem capaz de bastantes prodígios de tal forma que é escolhida para ser uma dos White, um colectivo de cinco altos-sacerdotes que seguem os cinco deuses do Circle, fazendo as suas vontades. Apesar disto, ela é amiga de Leiard, um Dreamweaver. Não haveria problema se os Dreamweavers, uma espécie de seita de curandeiros, não fosse perseguida pelos devotos dos cinco deuses para quem o fundador do grupo, Mirar, era um inimigo. Ficamos também a conhecer Emerahl, que se vê obrigada a largar a sua vida de eremita. São estes os personagens que maior influência têm na narrativa, mas há muitos outros que nos dão uma visão bastante alargada do mundo, suas crenças e povos, como os Siyee e os Elai.

Nota-se bastante que o primeiro livro é uma espécie de introdução ao mundo e à história, sendo esta desenvolvida nos livros subsequentes, pelo que falar muito seria contar todo o enredo e penso que se perderia muito da surpresa e emoção provocada pela leitura. Não quero com isto dizer que são livros excepcionais, pois apesar de os vários pontos de vista darem uma visão alargada e rica deste mundo e dos vários tramas que acabam por se unir no final, acaba também por abrandar a leitura e até mesmo o interesse do leitor, pois algumas linhas de história são um pouco enfadonhas e revelam ter pouco impacto no grande esquema das coisas, o que não quer dizer que não seja importante. Acabam por ser livros longos onde parece que se avança muito pouco por haver tantas histórias paralelas, sendo que algumas são só para garantir que uma pessoa esteja no final... e acabe por não fazer nada. O_o

No entanto, o worldbuilding (com excepção de um ou outro deslize) e algumas das personagens são fenomenais. Gostei sobretudo de Emerahl e Auraya. Apesar de esta última ser um pouco Mary Sue, acaba por ter um desenvolvimento bastante interessante e é impossível não gostar e torcer por ela. Toda a mitologia está também muito bem conseguida e para mim foi de facto o que mais se destacou de toda a trilogia. Cada volume levanta um bocadinho do véu que mostra a história de Ithania e coloca questões que, apesar de serem fáceis de adivinhar a resposta (sim, houve daqueles momentos em que me virei para os personagens e disse "a sério, só agora é que chegaste a essa conclusão?") foram muito bem trabalhados e explorados.

No geral achei muito bom, apesar de algo longo. É uma boa história de fantasia, interessante nos temas e na maneira que os aborda.

Veredito: Vale o dinheiro gasto.

2 comentários:

Patrícia disse...

Gosta da Trudi Canavan. Não a acho fantástica mas é, no seu estilo, bastante boa. Vou pôr eta trilogia na minha lista :)

WhiteLady3 disse...

Exactamente o que eu achei! Também já coloquei outra trilogia dela na minha wishlist. Agora quero dar conta dos livros que tenho cá em casa, mas assim que a pilha esteja um bocado mais domada ataco a biblioteca à procura dos livros. :D

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...