27 de janeiro de 2013

Uma espécie de disclaimer

Esta semana deparei-me com este post do Iceman, hoje com este no blog Morrighan, há uns dias com este da Filipa e já falei sobre a minha visão da blogosfera portuguesa no Estante de Livros. Parecendo que não, têm todos, a meu ver, uma mesma questão, basicamente o que cada um quer fazer do seu espaço e procura nos outros. Ok, talvez sejam duas questões, mas continuando...

... E começo com a última parte. Procuro em outros blogs, sejam eles de cinema, séries, livros, artigos de beleza ou para o lar, isenção e opiniões claras. A meu ver, a isenção é algo complicada quando se tem algum tipo de relação com editoras, autores, etc., mas não quer dizer que não seja impossível. Há quem seja capaz de se alhear dessas relações e dizer o que pensa, o que é bastante saudável, e até útil no dia-a-dia, pois com críticas menos lisonjeiras também se evolui. Aliás, é capaz de ser a melhor maneira de evoluir, apontar o que está mal ou devia ser melhor trabalhado. Isto consegue-se, a meu ver, com opiniões claras. Devo dizer que muitas vezes desespero quando vejo opiniões com mais de 4 ou 5 parágrafos e esses parágrafos em si são enormes. Até desespero quando sou eu que os faço porque fico a pensar que devo ter posto palha a mais! Pior ainda é quando tento fazer uma leitura na diagonal, para ficar com uma impressão da opinião/crítica, e o que mais vejo são adjectivos a adjectivarem outros adjectivos adjectivando a leitura e não propriamente o livro em si. Não peço detalhes pormenorizados de personagens, do enredo, da época em que se desenrola a acção. Uma simples nota de "personagens evoluem perante as adversidades que enfrentam" parece-me o suficiente e é quase uma garantia de que vou ficar com o livro debaixo de olho. E não vou falar dos que simplesmente dizem "gostei", se bem que um "gostei porque as personagens evoluem perante as adversidades que enfrentam" tem o resultado que já referi.

Quanto ao que quero do meu espaço... Quero que seja o meu espaço. É por isso que não procuro parcerias que não sejam com outros bloggers, não faço promoção a coisas que não conheço e não faço passatempos porque a pachorra me falta. Não procuro ser paga porque o que faço aqui faço-o também na rua, no trabalho, onde quer que encontre amigos ou pessoas que tenham os mesmos interesses que eu. Se não espero compensação nesses locais, porque haveria de esperar aqui? Compreendo quem tem opiniões diferentes das minhas, a sério entendo o ponto de vista e fazem muito bem em reivindicá-lo, mas nunca foi com esse intuito nem com essa postura que pretendo estar aqui.

7 comentários:

Morrighan disse...

Permite-me concordar com o que dizes :)

Quanto à isenção, é bem possível. Eu vejo as parcerias como uma troca. Eu divulgo os livros, eles enviam livros, eu opino os livros, mas o teor da opinião não pode estar envolvida na parceria. De que serve uma opinião se esta enganar o leitor e ainda principalmente a si mesmo? Não vale a pena.

Continuação de bom trabalho :)

Kel disse...

Olá!

Bem, esta "polémica" passou-me completamente ao lado e, ao ver o teu post, é que fui ler os outros blogs.
Concordo inteiramente com a tua opinião. Nunca escrevi nada sobre o assunto, mas já pensei muitas vezes nele. Já pensei até começar com alguma parceria com uma editora, mas fiquei sempre com medo de perder a minha identidade, além de não querer atulhar o meu blog de novidades. Outra razão é porque a minha leitura é por vezes inconstante...leio três livros de seguida e depois demoro várias semanas a ler um livrinho. Com uma editora, provavelmente não conseguiria ler ao meu ritmo e ia-me sentir pressionada a ler determinados livros.
Enfim, são posturas e opções.
De qualquer forma, há sempre excepções à regra, como blogs que tem parcerias e mantêm a sua identidade :)

WhiteLady3 disse...

Morrighan, acho que é isso mesmo, porquê enganar o leitor e a si mesmo? É certo que por eu gostar de algo, todos os outros irão gostar, mas porque hei-de estar a dar uma opinião contrária ao que realmente sinto só para agradar alguém? Penso que nesse caso é melhor não emitir qualquer tipo de opinião, não escrever nem dizer nada. E muito obrigada. :)

Kel, este tipo de coisas ultimamente também me têm passado ao lado mas já havia reparado há algum tempo. E tem passado ao lado porque deixei de seguir muitos blogs literários porque a certa altura parecia que estava sempre a ler a mesma coisa. Mas acabei por tropeçar nestes artigos e pronto, foi este o resultado. Eu nunca pensei em ter parcerias porque simplesmente já tenho um número incontável de livros para ler. Para que preciso de mais? Está claro que é uma pergunta retórica, eu preciso sempre de mais livros!!! Mas quando nos dão alguma coisa geralmente esperam algo em troca, algo que sinceramente acho que não sou capaz de dar, seja ele tempo para fazer posts de novidades ou mesmo opiniões, porque sentiria que não estaria a escrever para mim, como faço agora.

Olinda P. Gil © disse...

A mim também me aborrecem esses blogs todos iguais uns aos outros (já os apaguei todos do google reader)! Compreendo que toda a gente gostasse de receber muito dinheiro através do blog, como os bloggers de moda, mas as transações monetárias que envolvem o mundo da moda são muito superiores às do mundo literário. Por isso, nada mau de se receberem uns livrinhos.

O meu blog é de escrita, e não de livros. Ponho lá umas opiniões do que leio, mas se achar que não estou a fazer nada de jeito com aquilo, acabo, porque o principal é mesmo a escrita.

Não tenho parcerias mas solicitei algumas colaborações. Quero focar-me em autores alentejanos ou livros que falem do alentejo. Os livros que recebi foram de vanities. Publiquei uma opinião, e estou desejando de ter outro livro para pedir à editora, pois estou curiosíssima com a resposta que me vai dar. (ver aqui porquê:
http://www.olindapgil.com/2013/01/e-o-vento-soprou-do-leste-by-j-santos.html) Agora estou a ler outro, de outra editora. Ou melhor, a tentar ler, que ainda é pior! Eh eh. Se continuar assim, desisto, afinal o meu blog é de escrita e não de livros.

O que gosto num blog de livros. Confesso que o que menos gosto são das opiniões, hehe! Gosto de outros artigos, assim como este. Restaram no meu reader apenas aqueles que o faziam!

Olinda P. Gil © disse...

Houve um outro livro, não dado pela editora, mas sim pelo pai do autor e que foi uma experiência muito positiva :D

Patrícia disse...

Olá WhiteLady.
Concordo. Faz-me muita confusão as parcerias e confesso que fico um bocadinho chocada quando leio que há quem receba livros e posteriormente os venda. Ok, o espaço é limitado, mas fazer dinheiro com ofertas? Pois, não é para mim, certamente.

E espero mesmo que aqueles blogs de que gosto se mantenham fieis a si próprios porque é essa marca distinta que me mantém leitora :)

WhiteLady3 disse...

Olinda, é bastante curioso esse foco numa região e acaba por ser louvável. Sobretudo quando Portugal até tem muito para oferecer, em termos de paisagens, acontecimentos históricos e até pessoas. Por acaso é um ponto em que devia trabalhar mais, ler mais autores portugueses e histórias passadas em Portugal. Este ano espero fazê-lo, até porque tenho um quadrado no Book Bingo que exige ler 3 ficções históricas de autores portugueses ou passados em Portugal. :D E também gosto quando os bloggers escrevem outras coisas que não opiniões. :D

Patrícia, realmente vender os livros que lhes são oferecidos não me deixou propriamente chocada mas bastante surpreendida. Os que se ganham em passatempos, ok ainda vá mas mesmo assim acho triste. Também espero que os blogs que sigo continuem como têm estado até aqui, e espero o mesmo para este cantinho. :)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...