9 de setembro de 2009

O Labirinto da Rosa

Autor: Titania Hardie
Género: Thriller
Editora: Editorial Presença | Nº de páginas: 436
Nota: 3/5

Resumo (da capa): O Labirinto da Rosa é um romance de estreia de uma riqueza surpreendente que tem no centro da sua trama uma herança enigmática que remonta à época Tudor. John Dee, matemático, astrónomo e conselheiro da rainha Isabel I, deixou escondida uma série de documentos seus por considerar que a humanidade não se encontrava preparada para compreender o que neles estava escrito. As sucessivas gerações de descendentes souberam guardar o segredo da sua localização à espera do momento certo para revelar tais conhecimentos ao mundo. Esse momento parece ter finalmente chegado quando, volvidos quatro séculos, a mãe de Will, às portas da morte, lhe passa o testemunho – uma antiga folha de pergaminho com enigmas e uma chave de prata. Mas que segredo poderá revelar aquela misteriosa chave? Um romance soberbo, um verdadeiro labirinto literário, com traços do romance histórico, do romance de aventura, de mistério, do thriller, e referências vastíssimas que vão dos conhecimentos esotéricos egípcios, templários e renascentistas à história do Islão, ao Cristianismo, ao paganismo ou à astrologia. Presos no seu poderoso encantamento, vamos desvendando, enigma após enigma, o denso mistério que o envolve, acompanhando os seus protagonistas numa demanda intelectual por alguns dos locais mais interessantes da Europa.

Opinião: Este livro chegou-me às mãos por sorte, já que foi ganho num passatempo no blog Estante de Livros. Fiquei interessada nele, assim que ouvi que a Editorial Presença estava para o publicar, lembrando-me um pouco a expectativa que tinha há uns anos atrás em relação a O Código da Vinci. Infelizmente as lembranças não se ficaram por aí, pois à semelhança daquele livro, este tem um final que sabe a pouco apesar de um início bastante bom e com um dos melhores twists que tenho lido até agora.

Começamos por seguir Will, herdeiro de um segredo guardado desde o séc. XVII até aos dias de hoje pelas mulheres da sua família. No entanto, um grupo deseja reaver esse segredo de modo a concretizar uma profecia relacionada com o fim dos tempos, não olhando a meios para o adquirir.

O início, e a bem dizer quase todo o livro, conseguiram agarrar-me. A escrita, apesar de confusa em algumas partes, não deixa de ser bastante fluida e de nos transmitir uma grande quantidade de informação histórica sem, no entanto, cansar uma pessoa (como aconteceu, por exemplo, com o Códex 632). As personagens também são bastante interessantes, com histórias que desejamos seguir e por quem não podemos deixar de torcer. Os apontamentos médicos foram também uma aposta ganha, na minha opinião, sobretudo no que tocou ao debate sobre a “memória celular”, de que nunca tinha ouvido falar mas que parece ser um tema que pode dar pano para mangas. Achei curioso o livro trazer um bloco com os enigmas, mas foi com alguma decepção que reparei não ser tão necessário como isso. Dá para fazer o puzzle, é certo, e segundo o site The Rose Labyrinth esses enigmas têm mais algum segredo, mas mesmo assim penso que podiam ter sido integrados de outra maneira na história.

O pior deste livro vem mesmo no fim. Não é anti-climático, como alguns que tenho lido este ano *cough*BreakingDawn*cough*, mas deixa uma sensação de “É só isto? Tanta coisa para nada?” ou seja, exactamente a mesma reacção que tive ao ler O Código Da Vinci. Pareceu algo precipitado e não foi capaz de acabar com algumas pontas soltas, tal como o que é que aconteceu ao coração do Dee?

Uma boa leitura, com uma edição cuidada (gostei das notas da tradutora) mas com um final que, infelizmente, desaponta.

6 comentários:

Canochinha disse...

Não podia concordar mais, o final não está mesmo à altura do resto do livro. Ainda assim acho que é uma leitura que vale a pena :)

WhiteLady3 disse...

Sem dúvida. À excepção do final, o livro tem um ritmo e uma história bastante agradável de seguir. E mais importante, não tenta impor-nos nada. Tenta sim que tenhamos uma mente aberta, o que me pareceu uma mensagem diferente da de outros livros deste género, nomeadamente os de Dan Brown.

slayra disse...

Pois foi exactamente do Código da Vinci que me lembrei quando li a sinopse deste livro... ainda estive para o comprar, mas sendo assim, vou passar este. :p

WhiteLady3 disse...

lol De certeza? Não queres que to empreste? :P

Mónica disse...

Parece que finais desapontantes é o que mais começa a aparecer por aí infelizmente :(

Mais um a não colocar na lista :(

Já agora... hoje devo de ir à FNAC, alguma boa sugestão de um must read? :D

WhiteLady3 disse...

Por acaso também passei pela FNAC, mas não vi nada que me chamasse o olho, para além das "Crónicas de Gelo e Fogo" (tinham o pack Mar de Ferro e Punhal do Soberano da Robin Hobb) e Orbias que a minha amiga acabou por trazer, não vi grande coisa. Talvez aches piada ao Pride and Prejudice and Zombies ( :D ) e havia lá clássicos em inglês com capas muito bonitas, como o Great Expectations do Dickens e o War and Peace do Tolstoy, mas ainda não os li...

lol tive de estar a editar as tags HTML e lembrei-me de que também por lá andava o Guerra de Pólvora, o terceiro volume da Naomi Novik. :P

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...