21 de dezembro de 2008

Beyond the Highland Mist (The Highlander Series, Livro 1)

Autor: Karen Marie Moning
Género: Romance histórico
Editora: Dell | Nº de páginas: 375
Nota: 2/5

Resumo
(da capa): He would sell his warrior soul to possess her....

AN ALLURING LAIRD

He was known throughout the kingdom as Hawk, legendary predator of the battlefield and the boudoir. No woman could refuse his touch, but no woman ever stirred his heart—until a vengeful fairy tumbled Adrienne de Simone out of modern-day Seattle and into medieval Scotland. Captive in a century not her own, entirely too bold, too outspoken, she was an irresistible challenge to the sixteenth-century rogue. Coerced into a marriage with Hawk, Adrienne vowed to keep him at arm’s length—but his sweet seduction played havoc with her resolve.

A PRISONER IN TIME

She had a perfect “no” on her perfect lips for the notorious laird, but Hawk swore she would whisper his name with desire, begging for the passion he longed to ignite within her. Not even the barriers of time and space would keep him from winning her love. Despite her uncertainty about following the promptings of her own passionate heart, Adrienne’s reservations were no match for Hawk’s determination to keep her by his side....

Opinião: Já sabia que este livro não estaria ao nível de Os Leões de Al-Rassan, poucos estarão ao nível dele, nem eu pedia que estivesse, mas mesmo assim esperava mais deste livro.

Seguimos a história de Hawk, um belo exemplar de homem e cuja virilidade é apregoada por todas as mulheres que se deitaram com ele, inclusive a rainha dos Tuatha Dé Danann, sem no entanto amar alguma. Após a rainha declamar os seus feitos, Hawk torna-se o alvo da vingança de um dos amantes da rainha. É assim que Adrienne, que devido ao seu passado odeia todos os homens bonitos, se vê atirada do séc. XX para o séc. XVI e um peão na vingança contra Hawk.

As duas primeiras partes do livro consistem então em Hawk e Adam Black tentarem levar Adrienne para a cama. A sério… gostava de estar a brincar mas é praticamente a isto que se pode resumir as duas primeiras partes do livro. É claro que aqui e ali vão sendo atiradas algumas intrigas, mas é basicamente dois homens a prometerem levarem-na ao céu (ou a Valhala) se ela escolher ter sexo com um deles. Adam Black até é uma personagem interessante, mas Hawk e Adrienne, as duas personagens principais, são simplesmente enfadonhas. Ele passa quase todo o tempo a questionar-se porque é que ela não gosta dele, já que é tão viril e belo, e ela passa o tempo a lamentar-se como foi traída por um homem bonito e a negar os avanços de Hawk por ele ser tão bonito. Profundidade de carácter? Pouca ou quase nehuma.

Felizmente a terceira parte compensa um pouco, a história torna-se mais interessante com a separação deles após perceberem que se amam mutuamente. Mas mesmo assim fica muito aquém de Outlander, por exemplo, em que também uma viagem no tempo leva os protagonistas a conhecerem-se e apaixonarem-se. Aí temos personagens com profundidade, que estranham o mundo para que foram trazidas, que se interrogam o porquê de tal acontecer, o que acontece parcamente neste livro.

O que vale é que a autora até não escreve mal, as cenas de sexo são bastante quentes, mas podia desenvolver muito mais as personagens e a história, de modo a fazer-nos sentir algo pelas personagens e desejarmos que eles fiquem juntos, desde o início e não deixar isso para o fim. Estive mesmo para deixar este livro a meio devido à pouca empatia que sentia pelas personagens.

2 comentários:

Canochinha disse...

Os defeitos que apontas são basicamente os mesmos que encontrei no livro que li desta autora. Provavelmente é o estilo das histórias dela... Sinceramente, não me cativou.

WhiteLady3 disse...

Se realmente for o estilo dela então de certeza que não faz o meu estilo.

Gosto de romance e não tenho problemas com viagens no tempo e espaço (porque as heroínas, pelo menos neste livro, parecem ser americanas e são subitamente levadas para a Escócia) mas as personagens, o que verdadeiramente me leva a querer ler a história, têm de ser bem estruturadas e tem alguma profundidade de modo a identificar-me ou a simpatizar e preocupar-me com elas.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...