1 de janeiro de 2008

Outlander (Outlander, Livro 1)

Autor: Diana Gabaldon
Género: Romance histórico
Editora: Dell | Nº de páginas: 850
Nota: 4/5

Resumo (da capa): Claire Randall is leading a double life. She has a husband in one century, and a lover in another…

In 1945, Claire Randall, a former combat nurse, is back from the war and reunited with her husband on a second honeymoon – when she innocently touches a boulder in one of the ancient stone circles that dot the British Isles. Suddenly she is a Sassenach – an “outlander” – in a Scotland torn by war and raiding border clans in the year of our Lord… 1743.

Hurled back in time by forces she cannot understand, Claire’s destiny is soon inextricably intertwined with Clan MacKenzie and the forbidding Castle Leoch. She is catapulted without warning into the intrigues of lairds and spies that may threaten her life… and shatter her heart. For here, James Fraser, a gallant young Scots warrior, shows her passion so fierce and a love so absolute that Claire becomes a woman torn between fidelity and desire… and between two vastly different men in two irreconcilable lives.

Opinião: Não sei bem do que estava à espera quando peguei neste livro, mas foi uma leitura bastante interessante.

Acompanhamos a história sob o ponto de vista de Claire, que volta atrás no tempo, mais concretamente até ao século XVIII, encontrando-se em plena guerra entre os clãs escoceses e as forças militares de Inglaterra. Aqui, tem de se adaptar a este mundo, sendo que os seus dotes de enfermeira a ajudam a ganhar a confiança das pessoas, que se sentem ameaçadas sobretudo por ela ser inglesa, uma possível espia. De forma gradual, vemos a adaptação de Claire a este “novo” mundo onde, contra as suas intenções, se acaba por apaixonar, ficando dividida entre o amor a Jamie e o dever para com Frank, o seu marido em 1945. Para complicar um pouco mais as coisas, Claire encontra-se com o antepassado de Frank, Jack Randall, o vilão sádico da história, e que se assemelha fisicamente a Frank, o oposto, como pessoa, do seu antepassado.

O ritmo da história é lento, mas não do lento que se arrasta. Aqui conseguimos sentir os dias a passar, assemelhando-se aqueles dias de verão que passam lentamente e que não queremos que acabem. O ritmo ajuda a entender o que se passa à nossa volta e a cimentar, de forma gradual e credível, as relações com as várias personagens, sendo que o leitor sente que está mesmo na pele de Claire.

A única coisa de que não gostei, já que de certo modo parece forçado e dá a desculpa para Claire não voltar ao seu tempo, é o facto de pessoas com um carácter tão diferente serem fisicamente iguais. O facto de Frank e Randall serem iguais, dá a desculpa a Claire para que esta tema não vir a distingui-los e não conseguir voltar a querer Frank da mesma maneira, caso voltasse para o seu tempo. Acho isto um esquema reles e torna a luta interior dela, naquele ponto, um pouco forçada sendo que já há muito se adivinhava o desenlace. Mas pronto, “fica sempre bem” uma boa esposa questionar os seus deveres para com o seu cônjuge, mesmo que se pareça fisicamente com o pior vilão do mundo, mas não deixa de cheirar a falso.

1 comentário:

Canochinha disse...

Que engraçado teres aqui esta crítica de um livro que acabei de comprar :) Parece-me realmente que foi um bom investimento.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...